Negocios

notifoto2 | Exame de qualificação de Witzel na UFF é marcado por confusão entre PMs e estudantes; vídeo

'Spiderman' francés escala rascacielos de Hong Kong para desplegar una bandera de paz

RIO — O exame de qualificação de pós-graduação do governador Wilson Witzel foi marcado por confusão entre policiais militares e universitários nesta quinta-feira. Enquanto Witzel realizava o exame, estudantes cercaram o prédio da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, no campus do Valonguinho, da Universidade Federal Fluminense. Por volta das 15h40, ele deixou o local protegido por seguranças e PMs. A banca de qualificação estava prevista de ser realizada no campus do Gragoatá, no Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, mas a defesa do governador mudou de local para driblar as manifestações. Os estudantes, no entanto, chegaram ao local e tentaram acessar a sala de aula que o governador estava.

LEIA : PMs são denunciados por ligação com tráfico; bandidos fizeram foto em caveirão

Irmã pequena de adolescente morto em operação policial faz prece: ‘Queria meu irmão de volta’

Policias militares prenderam os estudantes na escada Foto: Gabriel Paiva / Gabriel Paiva A apresentação teve o andar completamente isolado por seguranças, impedindo o acesso de todos. Houve um momento de tensão quando cerca de 30 estudantes tentaram realizar prostestos na escada. Os poucos minutos em que o governador ficou diante do público foram registrados por cânticos de protestos.

A confusão aconteceu entre estudantes e policiais militares “Tem que parar de matar aluno”, cantavam os universitários. Governardor Wilson Witzel teve forte esquema de segurança para o exame de qualificação Foto: Gabriel Paiva / Gabriel Paiva

VEJA : Liminar impõe regras para polícia agir em operações na Maré; defensor diz: ‘É necessário mais’

Na saída, um grupo de 15 policiais militares auxiliou na escolta para a saída do governador. Em determinado momento, os agentes fecharam as portas de saída das escadas para prender parte do grupo e impedir a circulação deles pelo prédio.

— A gente sabia que ele faria a qualificação do doutorado dele. Queríamos fazer um protesto pelas mortes (de jovens nos últimos dias). Eles chamaram a PM, entraram numa universidade federal. Os estudantes têm direito de circular pela universidade. Eles fecharam a porta da escada e ficamos presos, uns 15 estudantes. Não nos deixaram sair — reclama a estudante de Relações Internacionais, Diana Vidal, de 20 anos.

PUBLICIDADE A Polícia Militar também reforçou o policiamento nas entradas de outros campi. Em frente a um prédio da faculdade de Direito, a mais de 500 metros de distância do Valonguinho, carros oficiais do Governo do Estado ficaram estacionados à paisana. O estudante do curso de Geografia, Bruno Araújo, foi um dos cerca de quinze alunos que ficaram presos na escada.

Tinham uns seguranças engravatados e com ponto eletrônico. Disseram que o andar estava interditado para manutenção. Fiquei perguntando se eles eram funcionários da universidade e aí a galera toda chegou. Nesse momento a PM também entrou e várias pessoas foram agredidas, não só pelos policiais quanto também pelos seguranças, com empurrões e socos — relata o universitário.

Tempo curto O tema do exame era Dimensão Política da Jurisdição. Para concluir a pós-gradução, Witzel terá que correr contra o tempo para não ser jubilado. O governador tem até o dia 31 de agosto, segundo a Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Ciência Política, para receber o título de doutor,  como adiantou a coluna de Ancelmo Gois  . Até lá, precisa passar pelas bancas de qualificação e de defesa de tese, que, até o momento, permanecem sem datas agendadas.

A correria é porque os estudantes da UFF têm 48 meses (quatro anos) para concluir o doutorado, tempo que, para Witzel, se esgotou em fevereiro. Excepcionalmente, é possível obter um prazo maior de 180 dias, o que foi concedido pela UFF a pedido do governador. A extensão eventual do período não configura uma vantagem e pode ser requisitada por qualquer aluno.

PUBLICIDADE Manifestação e desordem De maneira pacífica, um grupo com cerca de 30 estudantes caminhou do campus Gragoatá em direção ao Valonguinho, após terem conhecimento que o exame de Witzel mudou de local. Além de placas com a imagem do governador segurando um fuzil, os estudantes confeccionaram uma faixa branca com a frase “Witzel assassino e torturador”, escrita em vermelho. Faixa chama Witzel de assassino e terrorista Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Nas proximidades da Praça da Cantareira, em frente ao campus Gragoatá, quatro viaturas do batalhão de Rondas Especiais e Controle das Multidões (Recom) faziam o policiamento da região. Mais próximo do local onde o governador está, outros três veículos da corporação estão próximos do Clube Canto do Rio. O Governador do Rio, Wilson Witzel, saiu escoltado do campus do Valonguinho Foto: Gabriel Paiva / Gabriel Paiva

A estratégia de mudança de local para despistar possíveis confusões deu certo. O grupo só conseguiu chegar na saída de Witzel e, então, se uniu aos demais estudantes que já realizavam protestos no Valonguinho.

PM diz que entrada foi solicitada pela universidade Leia a nota da Polícia Militar:

“A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro esclarece que a Corporação tem o dever constitucional de garantir a segurança e a integridade física tanto do Governador do Estado como das demais autoridades constituídas democraticamente. A presença dos policiais militares no Campus da UFF foi solicitada pela própria Universidade”.  

* Sob supervisão de Leila Youssef.