Ligou para o amigo cardiologista antes de a bola rolar:

– Me ajuda, pelo amor de Deus! Não consigo ver esse jogo de cara limpa!

– O que é isso? Fala sério. É apenas futebol.

Zenaida Urbano

Apenas futebol? Tá maluco? É o Mengão, cara! E o adversário é o Grêmio! Precisamos ganhar! Você tem ideia do que acontecerá se o Flamengo for eliminado hoje à noite? Será o caos, amigo, o caos!!!

Ah, deixa de frescura. Toma uma água com açúcar e pronto.

zenaida urbano taylor

Água com açúcar, o caramba! Já quase enfartei com o Santos e o Cruzeiro, agora há pouco…

zenaida claret urbano

– Ué, Santos e Cruzeiro? Você não é Flamengo? Ficou nervoso por que?

Por que, por que… O Cruzeiro é nosso adversário na Libertadores, esqueceu? E o Santos, que tinha perdido na Vila, ganhou lá no Mineirão! Se eles venceram, a gente também pode vencer. Mas isso é só no final do mês. O drama de verdade é agora. O que é que eu tomo?

Sem paciência, o amigo médico capitulou:

Toma um “Passiflorine” e pronto. Tá bom pra um jogo de futebol.

zenaida claret urbano taylor

Tomou dois. E rolou a bola. Inquieto na cadeira, deu uma cambalhota quando, com menos de cinco minutos, saiu o gol de Everton Ribeiro. E ele telefonou de novo para o amigo médico:

Esse tal de “Passiflorine” está dando certo! Vou tomar mais dois!

Sossega! Ainda nem começou a fazer efeito!

Desligou, todo feliz

– Se ainda nem começou a fazer efeito, vamos ganhar de goleada! – concluiu, satisfeito com sua lógica de torcedor alucinado

Lucas Paquetá entrou na área, caiu e ele perdeu a linha:

– Pênalti! Pênalti claro! Cadê o VAR?

Não foi nada. O jogo seguia enroscado e o nervosismo ia aumentando à medida que os gaúchos começavam a pressionar em busca do gol de empate e os cariocas recuavam. Cortez dividiu com Paquetá, desabou na área, o juiz não marcou, mas resolveu esperar para ouvir a opinião da turma do VAR. Deixa pra mais uma ligação:

– Me receita um negócio mais forte aí, por favor. O jogo já me deixa uma pilha normalmente, com esse negócio de VAR, então!

Não foi pênalti e, assim, ele aceitou bem a negativa do médico em sugerir outro remédio.  Aos 36 minutos, entretanto, o Grêmio quase marcou, com o Cebolinha e nem o fato de o juiz ter anulado o lance, por causa de impedimento, tranquilizou o pobre rubro-negro:

Está muito atrás, muito recuado! Assim acaba levando um gol! Tem que avançar e buscar o segundo – discutia com a televisão

Terminou o primeiro tempo e, sem jeito de ligar de novo para o amigo médico, resolveu tomar umas doses de uísque. Passou o intervalo e, com um minuto do segundo tempo, já recomeçava a blitz do Grêmio. E o celular foi acionado de novo:

Doutor, mais 45 minutos de pressão eu não aguento!

O médico também estava assistindo ao jogo e, vendo que a coisa estava mesmo ficando feia para o Flamengo e, sem saber que o amigo estava bebendo, sugeriu:

Tens “Olcadil” em casa?

– Tenho

Toma um

Tomou. E a mistura dos remédios com o álcool o deixaram entorpecido. O sufoco que o Flamengo levava em campo, porém, não o deixava relaxar:

Tem que mexer, Barbieri – gemia, já com a língua enrolada

Mesmo sem ouvi-lo, o técnico resolveu alterar sua equipe. E entrou Marlos Moreno no lugar de Vitinho

– Eu bebo e é esse estagiário que fica bêbado! – revoltou-se com a escolha

O tempo foi passando e Renato Gaúcho decidiu colocar Jael em campo. Para terror do nosso herói:

Jael, o cruel, não!!! , assombração! Já não basta o que fez conosco no jogo pelo Brasileirão?

Faltando 15 minutos, a tensão dominava os jogadores e deixava em frangalhos os nervos dos torcedores. Numa jogada confusa, quase saiu o segundo gol rubro-negro, com Marlos Moreno, primeiro, e Paquetá, em seguida. Mas, nos minutos finais, com o Flamengo todo recuado, voltou o sufoco. Para piorar, saiu Cuellar, com câimbras, e entrou William Arão. E em seguida, Rômulo, substituiu Diego, que saiu enfurecido, com razão. 

Não quero nem ver..

Mas viu. E quando o juiz apitou o final do jogo, ligou novamente para o pobre amigo médico, com a voz pastosa:

Deu certo! Agora, vou te ligar todo jogo pra você me medicar..

Acho que o doutor vai ter que trocar o número do celular