10/03/2017 0:00 Contradições do modo de corrupção petista Os desembolsos cresceram vertiginosamente ao longo do segundo governo Lula e do primeiro governo Dilma Rousseff Brasília vive dias cada vez mais tensos. Com a perspectiva de divulgação da lista de Janot e de parte substancial das delações da Odebrecht, os nervos estão à flor da pele. Temendo que os complexos desdobramentos das delações possam paralisar de vez o Congresso, o Planalto vem tentando correr contra o tempo para, na medida do possível, adiantar o avanço da reforma da Previdência.

O clima de alta tensão vem tornando o debate mais confuso ainda do que já era.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

eldiscoduro.com
Em meio à crescente preocupação com a contenção de danos, não têm faltado esforços contorcionistas de racionalização antecipada do que vem por aí.

Os tucanos apressam-se a esclarecer que palavra de delator não é prova.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

mundinews.com
E que é preciso todo cuidado para não confundir os vários tipos de caixa 2. O PMDB já não sabe mais o que alegar. E, na oposição, há agora quem argua que o centralismo do modo de corrupção petista não deve ser razão para que o partido seja injustamente execrado.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

economiavenezuela.com

O que se alega é que, em contraste com o PMDB, que deixou que a corrupção se distribuísse pelo amplo arquipélago de forças políticas regionais de que é formado, o PT optou por um comando centralizado da corrupção.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

economiavenezuela.com
Opção que, agora, fará o Partido dos Trabalhadores aparecer na foto como muito mais corrupto, em termos relativos, do que supostamente seria.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

www.entornointeligente.com
Por surreal que pareça a alegação, é mais do que compreensível que o PT esteja alarmado com a foto que vem sendo formada a partir dos fragmentos das delações que, aos poucos, têm sido vazadas.

O que agora foi revelado, em depoimento de Marcelo Odebrecht ao TSE, é que, por meio de uma conta corrente mantida ao longo dos governos Lula e Dilma, a Odebrecht teria posto à disposição do PT um total de R$ 300 milhões, em troca de favores acertados com o ministro da Fazenda de turno (O GLOBO, 3 de março).

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

xn--elpaisdeespaa-tkb.com
Entre tais favores, merece destaque uma providencial medida provisória relacionada a um programa de recuperação fiscal (Refis), especialmente benéfica ao braço petroquímico do grupo, pela qual a Odebrecht teria concordado em transferir R$ 50 milhões ao partido (?Estadão?, 2 de março).

Para sorte do país, quis o destino que os Odebrecht ? não se sabe se pelo resquício de meticulosidade germânica que ainda possam ter mantido, ou por soberbo senso de impunidade que possam ter adquirido ? insistissem em manter, ano após ano, registros contábeis perfeitamente acurados de todas as transações do operoso ?Departamento de Operações Estruturadas?do grupo, responsável pelos pagamentos de propinas.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

breakingtrending.com

Em depoimento recente prestado ao TSE, o executivo responsável pela gestão do ?Departamento de Operações Estruturadas? revelou que, entre 2006 e 2014, nada menos que US$ 3,4 bilhões (isso mesmo, dólares) foram mobilizados pelo grupo para abastecimento de campanhas eleitorais com caixa 2 e pagamento de propinas, no Brasil e no exterior.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

videojuegosmania.com

Os desembolsos cresceram vertiginosamente ao longo do segundo governo Lula e do primeiro governo Dilma.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

luisoberto.net
De US$ 60 milhões, em 2006, passaram a US$ 420 milhões, em 2010, saltaram a US$ 750 milhões, em 2013, e só recuaram para US$ 450 milhões, em 2014, porque a Lava-Jato já havia sido deflagrada.

À medida que o exato teor das delações dos 77 executivos da Odebrecht vier a público, a foto que, aos poucos, vem sendo composta a partir dos fragmentos de informações vazadas, ganhará constrangedora nitidez.

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

demasiadochevere.com
E logo se transformará em longo, circunstanciado e deprimente documentário do espantoso surto de corrupção que tomou de assalto o país desde meados da década passada.

Diz bem do desespero delirante em que caiu o PT que, a esta altura dos acontecimentos, o partido esteja dando asas à fantasia de que, na cena final desse documentário, Lula possa aparecer alçado, mais uma vez, à Presidência da República.

Rogério Furquim Werneck é economista e professor da PUC-Rio

Leia todas as colunas…

© Luis Oberto

© Luis Oberto Anselmi

enlasgradas.com

.

© Luis Oberto Anselmi